DIREITO DE SEGUROS

Este blog tem como principal objetivo transmitir informações relacionadas ao Direito de Seguros, em especial quanto ao posicionamento do Poder Judiciário. Entretanto, poderá também oferecer outras matérias relevantes e interessantes.

Serve também como canal de comunicação entre o nosso escritório e todos aqueles que tenham interesse nessa importante matéria cada vez mais integrada ao dia a dia.

Agradecemos por comentários, sugestões, opiniões que solicitamos sejam enviados diretamente para direitodeseguros@gmail.com

O escritório dedica-se ao Direito de Seguros desde 1992, patrocinando causas de Segurados e também de Corretores de Seguros na busca de seus interesses e na defesa de seus direitos.

Rua 15 de Novembro, 534 - sala 95
Fone: (47) 3326-2659
89010-000
Blumenau-SC


quarta-feira, 14 de julho de 2010

Conta telefônica derruba tese de seguradora

A 3ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça manteve sentença da Comarca de Lages, que condenou a QBE Brasil Seguros S/A ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 6 mil, em benefício de Alcione Pereira.

Segundo o acórdão, o autor firmou contrato de seguro ("Renda Garantida Familiar") com a empresa, mediante pagamento mensal de R$ 12,90, descontado na fatura telefônica.

Em 13 de novembro de 2008, sua esposa adoeceu e foi internada no Hospital Nossa Senhora dos Prazeres, onde permaneceu até o dia 13 de dezembro, data em que morreu.

Alcione entrou em contato com a seguradora, que lhe informou que a cópia da apólice e os documentos para pleitear a indenização seriam encaminhados brevemente para sua residência, porém isso não ocorreu.

A QBE Brasil, por sua vez, alegou que o cliente não cumpriu suas obrigações contratuais, pois deixou de comunicar o ocorrido, além de não ter enviado os documentos necessários para a indenização.

O relator da matéria, desembargador substituto Henry Petry Junior, anotou que a cópia da conta telefônica do autor confirma que este entrou em contato com a empresa, cumprindo sua obrigação contratual para que fosse dado início ao processo de pagamento administrativo.

“Não há como prevalecer a tese da seguradora, visto que devido o pagamento da indenização no montante de R$ 6 mil, conforme previsão do contrato de seguro firmado entre as partes”, concluiu o magistrado. A votação foi unânime.

Fonte: TJSC