DIREITO DE SEGUROS

Este blog tem como principal objetivo transmitir informações relacionadas ao Direito de Seguros, em especial quanto ao posicionamento do Poder Judiciário. Entretanto, poderá também oferecer outras matérias relevantes e interessantes.

Serve também como canal de comunicação entre o nosso escritório e todos aqueles que tenham interesse nessa importante matéria cada vez mais integrada ao dia a dia.

Agradecemos por comentários, sugestões, opiniões que solicitamos sejam enviados diretamente para direitodeseguros@gmail.com

O escritório dedica-se ao Direito de Seguros desde 1992, patrocinando causas de Segurados e também de Corretores de Seguros na busca de seus interesses e na defesa de seus direitos.

Rua 15 de Novembro, 534 - sala 95
Fone: (47) 3326-2659
89010-000
Blumenau-SC


sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Seguradora pagará diferenças financeiras a beneficiário

A Sul América Seguros S.A. foi condenada, em segunda instância, ao pagamento da diferença entre o montante recebido administrativamente por uma beneficiária do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT), após acidente automobilístico, ocorrido em 2006, e o valor de 40 salários mínimos. A segurada recebeu, em caráter administrativo, o valor de R$ 5.648,46.

A decisão partiu da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, que reformou a sentença inicial, dada pela 5ª Vara Cível de Mossoró, a qual não deu parecer favorável à beneficiária, por julgar que a seguradora não poderia figurar no pólo passivo da demanda (a parte a quem deve ser cobrado os valores). No entanto, a segurada moveu Apelação Cível (Nº 2008.008633-4) junto ao TJRN, ressaltando que o artigo 7º da Lei nº 6.194/74 determina que o DPVAT poderá ser requerido a qualquer das seguradoras conveniadas que operam em consórcio.

Trouxe também jurisprudência que ampara a pretensão recursal e pediu o pagamento de indenização equivalente a 40 salários mínimos, descontado o valor anteriormente recebido da MAPFRE VERA CRUZ SEGURADORA S.A.

“Acontece que é lição que o recibo fornecido pelo segurado, quando do recebimento da indenização na via extrajudicial, não o proíbe de buscar prestação jurisdicional, caso entenda haver sido lesado no seu direito indenizatório, tencionando o recebimento de eventual diferença”, define o relator do processo no TJRN, desembargador Vivaldo Pinheiro, ao destacar que corroboram com tal entendimento as decisões advindas do Superior Tribunal de Justiça e do próprio TJRN.

O desembargador também destacou que O Conselho Nacional de Seguros Privados, de fato, tem competência para editar normas disciplinadoras e tarifas que atendam ao disposto na Lei nº 6.194/74. Contudo, não pode fixar valores indenizatórios contrários aos previstos no diploma legal. “O valor pleiteado pela segurada (apelante) – a diferença entre 40 salários mínimos e a indenização recebida administrativamente – possui respaldo jurisdicional”, acrescenta o relator do processo.

*Os demais dados do processo não podem ser revelados pois tramitam em segredo de justiça.



Fonte: TJRN