DIREITO DE SEGUROS

Este blog tem como principal objetivo transmitir informações relacionadas ao Direito de Seguros, em especial quanto ao posicionamento do Poder Judiciário. Entretanto, poderá também oferecer outras matérias relevantes e interessantes.

Serve também como canal de comunicação entre o nosso escritório e todos aqueles que tenham interesse nessa importante matéria cada vez mais integrada ao dia a dia.

Agradecemos por comentários, sugestões, opiniões que solicitamos sejam enviados diretamente para direitodeseguros@gmail.com

O escritório dedica-se ao Direito de Seguros desde 1992, patrocinando causas de Segurados e também de Corretores de Seguros na busca de seus interesses e na defesa de seus direitos.

Rua 15 de Novembro, 534 - sala 95
Fone: (47) 3326-2659
89010-000
Blumenau-SC


quarta-feira, 15 de junho de 2011

Seguradoras querem indenização da Toyota

Miami - As seguradoras querem recuperar com a Toyota o dinheiro que pagaram em acidentes que envolveram aceleração súbita, o principal problema de segurança que causou os recalls feitos pela empresa japonesa.
Isso também pode significar que consumidores receberão de volta os valores pagos como franquia do seguro. Pelo menos seis grandes seguradoras, incluindo a State Farm Insurance, Allstate e Geico, começaram a examinar os sinistros que envolveram veículos incluídos nos recalls, que somam cerca de 6 milhões de automóveis nos Estados Unidos e 9 milhões no mundo.
As seguradoras podem exigir que a Toyota as reembolse se ficar provado que o defeito do veículo foi um fator determinante no acidente, numa prática tradicional da indústria conhecida como sub-rogação.
Muitas seguradoras começaram a notificar a Toyota de que farão isso. “
Procuramos fazer com que eles compartilhem o compromisso financeiro, porque eles têm culpa parcial nisso”, disse Phil Supple, port-voz da State Farm.
A decisão das seguradoras pode fazer com que alguns donos de carros da Toyota sejam reembolsados pelos custos diretos que tiveram nos acidentes, mas provavelmente não terá impacto nas parcelas pagas ao seguro. E deve envolver principalmente acidentes em que as pessoas não foram seriamente feridas, porque esses casos normalmente se transformam em ações judiciais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.